quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Portfólio: Exposição Amadeo de Souza-Cardoso






Musa
Fundação Calouste Gulbenkian - 2006
Concertos (Im)previstos "Amadeo Souza-Cardoso"
Piano: José Manuel Brandão
Direcção Cénica: Margarida Bettencourt
Figurinos: Helena Medeiros
Caracterização: Jorge Bragada

Portfólio: As Bodas de Figaro / Mozart

Condessa (Sónia Alcobaça) / Conde (Mário Redondo) / Susana (Lara Martins)



Condessa d'Almaviva



CAE Figueira da Foz / Teatro Aveirense / Centro Cultural de Guimarães - 2006
Encenação: Maria Emília Correia
Direcção Musical: Cesário Costa

Orquestra Metropolitana de Lisboa


Portfólio: Le Pauvre Matelot / Darius Milhaud

Femme (Sónia Alcobaça) Ami (João Merino)

Femme / Père (Pedro Correia)

Femme / Père

Femme / Matelot, son mari (José Lourenço)

Femme / Ami

Assassínio: a mulher mata, sem saber(?) o seu próprio marido.

Femme

Centro de Arte Moderna (Lisboa) 2004
Encenação: Paulo Matos
Direcção Musical: João Paulo Santos
Piano: Joana David

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Outro Fim, Outro Princípio



Mulher (Sónia Alcobaça)

Homem (Luis Rodrigues)


Casa da Mãe - "Falta gente"

Posted by Picasa


Mais um projecto concluído. Um grande desafio para todos, ultrapassado com grande esforço e profissionalismo individuais, aliados ao enorme espírito de equipa gerado ao longo de um mês e meio de trabalho intenso. Mas é assim mesmo, os novos caminhos são sempre os mais difíceis, os mais dolorosos, e talvez por isso também os mais criativos. Independentemente das críticas e no meu caso em particular, não sendo uma experiência nova, visto que já tinha trabalhado com André Teodósio em "Metanoite", de João Madureira (Gulbenkian, 2007 ), foi, através de um processo de desconstrução, da ideia de narrador e de uma hiper-consciência do corpo e seu movimento, que apesar de exaustivo e complexo me levou a descobrir uma nova forma de estar em palco. Valorizar o momento como único e verdadeiro sem medo de usar a minha própria linguagem corporal. Sem gestos "redondos", "românticos" ou tomados como garantidos. Deitar por terra a quarta parede e incluir o público na acção. A partitura, o primeiro de todos os desafios. Papel de memorização difícil e grande exigência vocal, que, no entanto, me brindaria com alguns dos momentos mais belos da ópera. Claro que não posso deixar de agradecer a ajuda que obtive de cada um dos meus colegas, em todas as áreas. E, naturalmente, dar os parabéns a todos pelo resultado final.


Além das fotografias do ensaio pré-geral (ainda sem caracterização), deixo duas críticas.


"Nem só de música vive a ópera

As identidades "misturam-se, sobrepõem-se e atraem-se como o mercúrio", numa obra "trágica, romântica, desesperada", explica José Vieira Mendes, autor do libreto. São "as histórias de vida dos que, face a um quotidiano pouco exaltante, acabam por chegar às tragédias", diz António Pinho Vargas, autor da música.
O leque de vozes é composto por Larissa Savchenko, Sónia Alcobaça, Madalena Boléo, Luís Rodrigues e Mário Alves. A direcção musical está entregue a Cesário Costa.


Quando algum dos elementos que compõem o espectáculo falha o seu objectivo, este fica irremediavelmente comprometido. Foi o que aconteceu com a ópera "Outro Fim".


Nascida nos alvores do século XVII a partir do conceito de drama per musica, a ópera faz-se da soma de várias componentes artísticas. É da sua conjugação que nasce o essencial do seu fascínio enquanto um dos géneros mais determinantes da história da música. Sendo assim, quando algum dos elementos que compõem o espectáculo falha o seu objectivo, este fica irremediavelmente comprometido. Foi o que aconteceu com a ópera Outro Fim, uma encomenda da Culturgest a António Pinho Vargas, que trabalhou sobre um libreto de José Vieira Mendes, resultante de uma encomenda anterior da mesma instituição.


Do espectáculo estreado no passado fim-de-semana emergiu a música de um compositor que domina o seu métier e as convenções do teatro musical, adaptando-as ao seu estilo, e que nos últimos anos tem manifestado uma postura estética que se demarca deliberadamente das tendências que ainda têm subjacente a ideia do progresso em arte - leia-se a herança pós-serial e a escola francesa em torno do IRCAM (Institut de Recherche et Coordination Acoustique/Musique). Mas a música de Pinho Vargas serviu um libreto que, apesar de algumas ideias potencialmente interessantes (como a troca de identidades ou a ficção dentro da ficção), nem sempre se revelou eficaz na escolha da linguagem mais adequada a uma situação de teatro musical e acabou por deixar visível apenas o lado mais convencional de uma trama assente na tragédia familiar. Mesmo assim a obra poderia até ter resultado, se o espaço cénico e a encenação concebida por André e. Teodósio (em parceria com Vasco Araújo) não lhe tivessem conferido o golpe fatal.


As intenções interpretativas do encenador que se podem ler no texto bastante pretensioso publicado no programa acabariam por dar origem a uma amálgama de referências que ofusca em vez de clarificar. Para funcionar, a ideia de colocar os três lugares da acção visíveis em simultâneo necessitava de mais espaço ou de delimitações mais claras (por exemplo em patamares), bem como de um uso mais criterioso da parte das personagens. Os cantores passam muitas vezes de uns espaços para os outros sem motivo aparente, tornando a acção confusa e a didascália do libreto é pouco respeitada. Uma direcção de actores algo errática torna personagens frequentemente pouco credíveis (a Mãe dominadora, que imaginaríamos numa casa sombria e que o libreto coloca quase sempre sentada na sua cadeira, circula por todo o lado; há despedidas supostamente dolorosas e momentos de tensão tratados com indiferença). Tudo isto decorre talvez da temerária ambição de André Teodósio em "dirigir os cantores de forma a obter personagens-que-não-são-personagens-mas-sim-evocações-da- escrita-sob-a-forma-de-personagens", como escreveu no programa, tendo em vista a ideia de que tudo o que vemos pode afinal ser um produto da imaginação da Mulher que escreve. Daí a simbologia das máscaras em tirinhas de papel ou do revólver que é um desenho nas largas folhas de um livro. Só que a concretização é ineficaz. Um espaço cénico plasticamente pouco atraente e figurinos pouco inspirados também não ajudam. O resultado para o público é um amontoado de referências algo à deriva, donde emergem, apesar de tudo, como nota positiva várias componentes da criação musical de Pinho Vargas e o desempenho profissional dos cantores e dos elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa (em particular do pequeno grupo que actuou em palco nas cenas no café), sob a direcção de Cesário Costa.


No plano vocal destaca-se a prestação de Sónia Alcobaça (Mulher), que teve de fazer frente a uma escrita de grandes exigências e forte insistência no registo agudo (que a soprano atinge com facilidade mas que se torna demasiado incisivo em comparação com as qualidades tímbricas do seu registo médio) e de Luís Rodrigues (Homem), que conseguiu um bom equilíbrio entre a dimensão vocal e teatral. Larissa Savchenko (Mãe) e Mário Alves (Irmão) cumpriram no essencial as suas funções, tendo em vista que se trata de uma estreia e não de uma obra de repertório objecto de um amadurecimento anterior. Dessa contingência se ressentiu ainda mais Madalena Boléo (Cunhada), que entrou mais tarde para a produção em substituição de outra cantora.
Enquanto a encenação age por vezes contra o texto e a música, Pinho Vargas preocupou-se em seguir de perto as principais linhas dramatúrgicas do libreto, sublinhando os pontos de tensão dramática (ainda que por vezes de forma demasiado enfática), oscilando entre a acção exterior (por exemplo através da música do café, com laivos jazzísticos e um sabor stravinskiano) e a instrospecção das personagens, com alguns momentos muito belos, como a primeira cena da 4ª parte (Primavera), em que a Mulher espera em vão a chegada de novas cartas e a textura instrumental se torna mais rarefeita e aposta nas sonoridades cristalinas do piano e da percussão. Nota-se o domínio da gestão dos gestos musicais e dos elementos que jogam com a memória do ouvinte, contrastes múltiplos e uma sensibilidade particular para a orquestração, mas também um certo conformismo em termos de linguagem musical. Criada com a consciência da condição site-specific da ópera contemporânea (ver entrevista no Ípsilon de 19 de Dezembro), Outro Fim merecia uma segunda oportunidade de avaliação por via de uma produção que tirasse melhor partido das suas virtudes em vez de as anular."


Cristina Fernandes
PUBLICO, 24 Dezembro, 2008

________________________________________________

(...) Serpenteando entre todas estas "dissonâncias" e em comparação com as tensões não resolvidas que geravam, a música de Pinho Vargas - a que escreve para os instrumentos, a que coloca nas vozes - é harmoniosa e consonante, mesmo quando angulosa (por vezes) e dissonante (fugazmente). Pois só ela logra alcançar na medida exacta o equilíbrio com personagens e seu carácter, com as palavras que sustenta, as situações que emoldura. Só ela fala claro.Ainda bem que foi tão bem tocada (24 elementos da Sinfónica Portuguesa) e cantada, aqui pelas cinco personagens criadas pelo libretista: Larissa Savchenko (Mãe), Sónia Alcobaça (Mulher), Madalena Boléo, (Cunhada), Luís Rodrigues (Homem) e Mário Alves (Irmão). Unindo as linhas (cordas ou filigrana) urdidas na partitura, brilhou a precisão do gesto de Cesário Costa
Bernardo Mariano
DN, 23 Dezembro, 2009

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Pinho Vargas e Vieira Mendes à procura de "Outro Fim"

Luis Rodrigues (Homem) e Madalena Boléo (Cunhada)


António Pinho Vargas estreia sábado uma nova ópera, com libreto de José Maria Vieira Mendes. Ana Dias Ferreira falou com os dois.

A história começa no Verão e acaba no Verão, uma volta de 360 graus através das quatro estações. Um ano de acção concentrado numa hora de ópera, com cinco cantores/personagens, 23 instrumentos e três espaços cénicos num só palco, visíveis em simultâneo. Pelo meio, um crime. Como se esta fosse uma ópera clássica, trágica, mas “em miniatura”, condensada. Uma ópera cuja história José Maria Vieira Mendes imaginou, e à qual o pianista e compositor António Pinho Vargas deu música. A estreia acontece este fim-de-semana, às 21.30, na Culturgest. A encenação é de André e. Teodósio.

Quando Pinho Vargas leu Outro Fim, o libreto encomendado pela Culturgest a Vieira Mendes em 2003, estava imerso na composição da sua terceira ópera, A Little Madness in the Spring. Ainda assim, à primeira leitura foi evidente: “Este pareceu-me o libreto mais conforme a uma ópera tradicional”, diz o compositor. “Trata-se de um drama familiar, e a clareza do texto, a plasticidade e a densidade psicológica das cinco personagens são muito adequados ao canto e à vocalidade.”

Como sempre, António Pinho Vargas começou pelo texto. Leu, releu, interpretou. E como tinha de começar a compor por algum lado, começou pela Mãe (no libreto é mesmo assim, as personagens não têm nome, são a Mulher, o Homem, o Irmão, a Cunhada e a Mãe). “Sendo uma ópera, a música existe em função das personagens”, diz o compositor, “e a primeira coisa que fiz foi tentar captar a musicalidade mais adequada à figura da mãe, que é uma personagem isolada, que não sai e quase não interfere com as outras personagens, mas é central”.

A segunda fase, continua Pinho Vargas, “foi compor lato sensu, tendo em conta o texto e a evolução das personagens”. Uma evolução “complexa”, considera o compositor, dando como exemplo a relação entre os dois irmãos: “No início da peça, um deles acabou de sair da prisão, não quer trabalhar, mas no fim da ópera apaixona-se e é o outro irmão que começa a beber e que está revoltado. Há uma troca de personagens muito interessante.”

Isso, essa troca de identidades, foi ideia de José Maria Vieira Mendes, que confessa que antes de escrever este libreto deu por si com a memória de uma cena do filme Persona, de Ingmar Bergman, em que os rostos de Liv Ullman e Bibi Andersson se sobrepõem.

Mas pensar a questão do outro não era tudo: “Tinha vontade de escrever um libreto condizente com um imaginário romântico de um espectador esporádico de espectáculos de ópera”, diz Vieira Mendes. “A morte do herói, o amor desencontrado, o suicídio ou homicídio, o desenlace trágico... Queria jogar com essa tradição clássica ao género Romeu e Julieta, Tristão e Isolda, Amor de Perdição ou West Side Story, e trazê-la para a pequena dimensão da ópera de câmara.” Espremendo, concentrando, fazendo a tal ópera trágica “em miniatura”. E assim dificultando a tarefa ao encenador.

André Teodósio, que já trabalhara com Vieira Mendes em Super-Gorila e Avarento ou a última festa, encontra no escritor um “prazer sádico em dificultar a realização da sua própria obra.” Como escreve o encenador nas notas ao programa, é como se o escritor acordasse e se pusesse a pensar em coisas difíceis de colocar em cena, como “o cair da noite, morrer e dar à luz, estações que mudam”. Pinho Vargas não ajudou muito. “Decidiu jogar o mesmo jogo”, diz Teodósio. “Compôs uma obra musical que joga claramente com a História da Música, com todos os géneros musicais, uma ópera que dilata e comprime, de uma complexidade técnica exímia.” E ainda tirou alguns músicos do tradicional fosso de orquestra e colocou-os em cima do palco, ao piano, nas cenas que se passam no café (as outras passam-se na casa do Irmão e da Cunhada e na casa da Mulher e da Mãe, mas está tudo à vista desarmada, lado a lado).

O título, Outro Fim, esse é “roubado” a um poema de Antero de Quental. Explica Vieira Mendes: “Em Outro Fim existe a ideia do tempo e do mundo redondo, com a passagem das estações do ano, dar a volta ao ano... E chega-se ao fim com a ideia de que se pode reiniciar. Mas este reinício, como está implícito no título, não seria para fazer o mesmo mas sim outra coisa”, continua o autor. “No fundo é a história da literatura. A história da linguagem. A história das artes: andar à volta das mesmas coisas mas sempre à procura de outras formas. À procura de um outro fim, mas nunca do fim definitivo.”


in timeout.sapo.pt

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

domingo, 7 de dezembro de 2008

Estreia de "Outro Fim" na Culturgest


ÓPERA
SÁBADO 20 E DOMINGO 21 DE DEZEMBRO DE 2008
21h30 · Grande Auditório· Duração 1h15 · 25 Euros (Jovens até aos 30 anos: 5 Euros. Preço único)
Outro fim
De António Pinho Vargas. Libreto de José Maria Vieira Mendes.
Direcção musical Cesário Costa
Encenação André e. Teodósio em parceria com Vasco Araújo
Iluminação Daniel Worm D’Assumpção
Figurinos Mariana Sá Nogueira
Produção Joana Dilão
Vídeo André Godinho
Intérpretes
Mãe: Larissa Savchenko
Mulher: Sónia Alcobaça
Cunhada: Madalena Boléo
Homem: Luís Rodrigues
Irmão: Mário Alves
Elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa
Co-produção Teatro Nacional de São Carlos, Culturgest
Encomenda da Culturgest - Estreia

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

III Encontros de Música dos Patudos



3ª Edição de Serões Culturais na Casa dos Patudos

Alpiarça, 30 de Novembro de 2008

Concerto de Outono-Homenagem a Puccini
( no aniversário dos 150 anos do seu nascimento )


Giovanni Andreoli - Direcção musical / Piano
Quinteto de Sopros da Orquestra Sinfónica da Op - Companhia Portuguesa de Ópera

Sónia Alcobaça, Pedro Chaves e Luis Rodrigues - Cantores
Jorge Rodrigues - Narrador

Programa:

Nabucco Overture - Verdi
La Fanciulla del West - Puccini (Luis Rodrigues)
Madama Butterfly - Puccini (Sónia Alcobaça)
Tosca - Puccini (Pedro Chaves)
La Bohème - Puccini (Luis Rodrigues)
Tosca - Puccini (Sónia Alcobaça)
La Bohème - Puccini (Pedro Chaves / Luis Rodrigues)
Tosca - Puccini (Sónia Alcobaça / Pedro Chaves)
Turandot - Puccini (Pedro Chaves)
Traviata brindisi - Verdi (Sónia Alcobaça / Pedro Chaves / Luis Rodrigues)



terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Ópera-Vídeo



Foi no passado dia 29 Novembro, no Auditório da Ordem dos Médicos, por ocasião de mais uma Ópera-Vídeo conferência, promovida pela Ginásio Ópera, que, ao longo de uma animada conversa entre o Dr.José Serra Formigal e o Dr.João Maria de Freitas Branco, revivi alguns dos mais belos momentos das óperas "Cavalleria Rusticana" de Mascagni e "I Pagliacci" de Leoncavallo. Além de mim, foram igualmente intérpretes o tenor Frederico Almendra, o barítono Frederico Santiago e ao piano o maestro Kodo Yamagishi.

Programa:

Cavalleria Rusticana

"Voi lo sapete, o mamma" (Santuzza)
"Oh, il Signore vi manda, compar Alfio" (Santuzza e Alfio)
"Mamma, quel vino é generoso" (Turiddu)

I Pagliacci

"Prologo" (Tonio)
"Stridono lassù" (Nedda)
"Recitar" (Canio)

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Only whoop-dee-doo songs


No final deste projecto, fica a enorme admiração por este compositor. Pela sua música e pela forma descontraída, simples e tão divertida de interpretar a vida. Um charme.

Canções de Cole-Porter

(arranjos para Clarinete, Violino, Viola, Violoncelo

e Piano de Nuno Côrte-Real)

Night and Day

You do something to me

It's all right with me

Ev'ry time we say goodbye

I love Paris

Let's do it

Get out of town

From this moment on

In the still of the night

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Cole Porter no Teatro-Cine de Torres Vedras



Já amanhã, 17 de Outubro, pelas 21:30 no Teatro-Cine de Torres Vedras, reviver-se-á a música intemporal deste compositor norte-americano. Com o Ensemble Darcos, Armando Possante, eu e Nuno Côrte-Real na direcção musical, serão interpretadas algumas das mais românticas e inesquecíveis melodias de Cole Porter. Aos amantes do género deixo o convite.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Eboraemusica - Música nos Claustros




IX Ciclo de Concertos “Música nos Claustros/Encontro de Instrumentos e Vozes Ibéricas”


Claustros do Convento dos Remédios - Évora

13 de Setembro de 2008, às 21:30


Sónia Alcobaça (Soprano)
Manuel Pedro Nunes (Barítono)
Kodo Yamagishi (Piano)

Programa:

- Interpretação de excertos de óperas de Verdi, Puccini, Leoncavallo, Korngold, Weber, Richard Strauss.



( Nota: Um convite de última hora justificado por razões de saúde
da minha querida Ana Ester. Desejo de rápidas melhoras. )

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Próximos projectos



Fundação Calouste Gulbenkian
Temporada 2008 / 2009


Recital


SÓNIA ALCOBAÇA (soprano)

JOÃO PAULO SANTOS (piano)

Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009, 19h - Auditório Dois


Isaac Albéniz

Il en est de l'amour

Deux morceaux de prose de Pierre Loti:
1. Crépuscule
2. Tristesse

Manuel de Falla

Trois mélodies:
1. Les Colombes
2. Chinoiserie
3. Séguidille

Joaquín Turina

Três arias:
1. Romance
2. El Pescador
3. Rima

Enrique Granados

Goyescas: «La maja y el ruiseñor»

Canciones amatorias:
1. No lloréis, ojuelos
2. Lloraba la niña
3. Gracia mìa

Rodolfo Halffter

Canciones sobre Marinero en Tierra, op.27
1. Qué altos los balcones
2. Casadita
3. Siempre que sueño las playas
4. Verano
5. Gimiendo por ver el mar

Louis Durey

Chansons basques, op.23a
1. Prière
2. Polka
3. Attelage

Darius Milhaud

Dissolution (de Sept Poèmes de Connaissance de l’Est de Paul Claudel)

Georges Auric

Alphabet:
1. Album
2. Bateau
3. Domino
4. Filet à papillons
5. Mallarmé
6. Hirondelle
7. Escarpin

Arhur Honneger

Poésies de Jean Cocteau:
1. Le Nègre
2. Locutions
3. Souvenirs d’enfance
4. Ex-voto
5. Une danseuse
6. Madame

Darius Milhaud

Deux Poèmes de Connaissance de l’Est de Paul Claudel

Francis Poulenc

Métamorphoses:
1. Reine des mouettes
2. C’est ainsi que tu es
3. Paganini

Germaine Tailleferre

Six Chansons françaises:
1. Non, la fidélité
2. Souvent un air de vérité
3. Mon mari m’a diffamée
4. Vrai Dieu, qui me confortera
5. On a dit mal de mon ami
6. Les trois présents

Erik Satie

Trois chansons de café-concert:
1. Air fantôme
2. J’avais un ami
3. La chemise

terça-feira, 2 de setembro de 2008

OUTRO FIM



Sábado 20 e Domingo 21 de Dezembro de 2008 -
21h30
Grande Auditório da Culturgest

Duração 1h15

25 Euros (Jovens até aos 30 anos: 5 Euros. Preço único)


Outro fim

De António Pinho Vargas.
Libreto de José Maria Vieira Mendes.

Classificação: M/6


A primeira leitura do libreto Outro Fim de José Maria Vieira Mendes mostrou-me antes de mais nada três coisas: que as palavras tinham uma plasticidade muito adequada a uma ópera, que a acção dramática se desenrolava com o ritmo de uma peça de teatro e, finalmente, que as personagens eram ricas, tinham espessura e complexidade psicológica. Que mais se pode pedir a um libreto?Pairam por cima deste texto – e desta ópera – os dramas familiares, as histórias de vida dos que, face a um quotidiano pouco exaltante, acabam por chegar às tragédias. O meu trabalho de composição segue o meu procedimento habitual, ou seja, começa pelo texto, pela interpretação das situações e pela consideração do seu potencial. Os materiais musicais que vão sendo criados deste modo são sujeitos a transformações e derivações de si próprios conforme o desenrolar da acção e a contingência do acto criativo. A divisão do palco em três lugares da acção visíveis em simultâneo, sendo um deles um café, motivou a escolha de divisões entre a localização principal dos músicos no fosso e de pequenos grupos instrumentais on stage em certos momentos.

António Pinho Vargas
Junho de 2008


Havia a memória de um filme. Uma memória que não era muito mais nítida que a imagem da sobreposição de duas caras, duas películas justapostas a encaixarem-se. Era também a ideia de máscara, era a palavra "persona", era as duas mulheres, as identidades a confundirem-se. Era um reforço da ficção, uma demonstração da ficção.Para refrescar a memória não revi o filme, mas li o livro. Roubei umas frases que já não sei se ficaram e interessei-me quase em simultâneo por uma antiga ideia de ópera. E depois fui começando até acabar num libreto de Série B. Ou seja, uma história operática, com todos os ingredientes – trágica, romântica, desesperada – mas em tempo reduzido. Concentrada e apertada. A princípio ainda com espaço para todos, mas no final já só com espaço para poucos.E por culpa disto, por falta de espaço e também de tempo, as identidades, lá está, misturam-se, sobrepõem-se e atraem-se como o mercúrio. Os muros apertam, as portas fecham-se, as "personas" são obrigadas a encolher, a juntar-se aos outros até deixarem de ser. Ou até se mostrarem – e este é um vício que ainda não sou capaz de abandonar – gente de um autor, coisa de papel, fina película sem carne nem osso.

José Maria Vieira Mendes


Direcção musical Cesário Costa
Encenação André e. Teodósio em parceria com Vasco Araújo
Iluminação Daniel Worm D’Assumpção
Figurinos Mariana Sá Nogueira
Produção Joana Dilão
Vídeo André Godinho

Intérpretes

Mãe: Ana Ester Neves;
Mulher: Sónia Alcobaça;
Cunhada: a anunciar;
Homem: Luís Rodrigues;
Irmão: Mário Alves.

Elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa
Co-produção Teatro Nacional de São Carlos, Culturgest
Encomenda da Culturgest



The libretto for Outro Fim by José Maria Vieira Mendes has all the elasticity required for opera, the dramatic action proceeds at the place of a play, and the characters are well-rounded. It is a family drama covering the life stories of ordinary people whose lives turn to tragedy. It provided the starting point for António Pinho Vargas’ composition, the stage being divided into three sections with action taking place simultaneously. The libretto was inspired by a film, but rather than re-watch the film Mendes decided to read the book, which resulted in an operatic libretto containing tragedy, romance and despair, but concentrated in time – a distilled essence.

© 2008 Culturgest

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ópera em Óbidos


Grande Gala de Ópera - Dueto das Flores, da ópera "Madama Butterfly" (Sónia Alcobaça/Larissa Savchenko).

Encerramento do Festival com monumental fogo de artifício.


Ópera "I Pagliacci" - I Acto : Entrada da companhia (Sónia Alcobaça/Giovanni Manfrin/José Corvelo/Mário Alves).


Ópera "I Pagliacci" - II Acto : Colombina e Arlecchino (Sónia Alcobaça/Mário Alves).

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

CAE da Figueira da Foz




Para quem não teve oportunidade de estar presente no V Festival de Ópera de Óbidos, renovo o convite, desta vez para o Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz. Nos dias 29 e 30 de Agosto, às 21:30, serão apresentadas, respectivamente, a Gala de Ópera da Op e as óperas "I Pagliacci" e "Cavalleria Rusticana".

I Pagliacci

Elenco:

Canio - Giovanni Manfrin

Nedda - Sónia Alcobaça

Tonio - José Corvelo

Peppe - Mário Alves

Silvio - Jorge Martins



Cavalleria Rusticana

Elenco:

Santuzza - Larissa Savchenko

Turiddu - Giovanni Manfrin

Alfio - José Corvelo

Lola - Ana Barros

Mamma Lucia - Manuela Teves


Direcção Musical : Giovanni Andreoli

Orquestra da Op-Companhia Portuguesa de Ópera "L'Orchestra"

Coro da Op-Companhia Portuguesa de Ópera

Encenador e Cenógrafo - Francesco Bondí

Figurinos - Veriana Bonelli



Deixo-vos a opinião de um ilustre espectador:


"Estive em Óbidos e adorei o espectáculo Pag/Cav. Dá gosto voltar a ver ópera sem pretensões e capaz de emocionar qualquer público. Muitos parabéns a todo o elenco(...).

Cordialmente,

Alexandre Delgado"

Recorte de Imprensa


I Pagliacci - Nedda e Silvio (Sónia Alcobaça e Jorge Martins)





V Festival de Ópera de Óbidos terminou no sábado

Data: 24 de Agosto de 2008
Fonte: Oeste Online

Terminou ontem, dia 23, o V Festival de Ópera de Óbidos, no magnífico cenário da Lagoa de Óbidos, com a interpretação das melhores árias de ópera, na estreia em Portugal da cantora Giorgia Fumanti e fogo-de-artifício a partir do “espelho de água”. Perto de duas mil pessoas encheram por completo o recinto e no final o público aplaudiu de pé. A Grande Gala de Ópera teve a participação de grandes vozes, nomeadamente de Giorgia Fumanti, que actuou recentemente nos Jogos Olímpicos de Pequim, de João Merino, Carlos Guilherme, Sónia Alcobaça, Jorge Martins, Mário Alves, Carla Caramujo, Giovanni Manfrin, Larissa Savchenco, João Oliveira, Luís Rodrigues e Ana Barros. O V Festival de Ópera de Óbidos contou, este ano, com a realização de vários espectáculos em diversos locais, “tirando partido do património construído e natural do concelho de Óbidos”, explicou o presidente da autarquia, Telmo Faria. “Há cinco anos que apostamos na apresentação de grandes óperas, as mais queridas do público, com encenações tradicionais que as pessoas entendem e gostam. Esta é a chave do sucesso deste festival que já tem o seu público fidelizado e que mostra que Óbidos prefere a qualidade como referência da sua oferta cultural”, sublinha o autarca, acrescentando que “fazer o género cultural mais complexo do mundo, que é a Ópera, assumindo sempre o risco elevado de o fazer ao ar livre, mostra como Óbidos é inovação e criatividade”. La Gran Via, La Serena, com Teresa Salgueiro & Lusitânia Ensemble, Árias de Dança, Madama Batterfly, Pagliacci, Cavalleria Rusticana, Tosca e a Grande Gala de Ópera fizeram o programa deste ano, dedicado aos 150 anos do nascimento de Giacomo Puccini.



video

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Já em Cartaz

Para mais informações aconselho a visitar o site da Câmara Municipal de Óbidos.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Temporada 2008.2009 TNSC


Paisagens do Teatro Contemporâneo

Culturgest

Outro Fim
António Pinho Vargas

20.21. Dezembro 2008

Libreto de José Maria Vieira Mendes

Estreia Absoluta

direcção musical Cesário Costa
encenação André Teodósio

Elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa
Encomenda Culturgest
Co-Produção Culturgest/TNSC

Intérpretes

mãe Ana Ester Neves
mulher Sónia Alcobaça
homem Luís Rodrigues
irmão Mário João Alves

segunda-feira, 14 de julho de 2008

"I Pagliacci" em Agosto


Dias 19 e 30 de Agosto, interpretarei pela primeira vez a personagem Nedda, da ópera "I Pagliacci" de Leoncavallo. A primeira récita será no Festival de Ópera de Óbidos e a segunda no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz.